domingo, 1 de abril de 2012

O OUTRO LADO DO BARALHO


         Isso é o resultado do revanchismo antes apoiado veladamente por diversas instâncias do poder que hoje, sem freios, já não se incomodam de se mostrar. Mas o propósito é muito mais perigoso e está muito claro no PNDH3, basta ler o documento, pois não precisa ser muito esperto para entendê-lo como a estratégia de conquista do poder.
 
        Poucos percebem que o tempo estratégico não se conta por anos e sim por lapsos maiores. Se a Nação não despertar, daqui há algum tempo será tarde demais.
 
       A nossa consciência indica o que devemos fazer para cumprir, dentro da lei, o que é nosso dever de cidadão que quer o bem do País. 
       RP.
--- Em dom, 1/4/12, ivan mendonca bastos <genivanbastos@gmail.com> escreveu:

De: ivan mendonca bastos <genivanbastos@gmail.com>
Assunto: Fwd: FW: Papo de filhinha de papai: 29 de Março de 2012, Cinelândia. A VERDADE! >
Para:
Data: Domingo, 1 de Abril de 2012, 6:52

Assunto: Fwd: FW: Papo de filhinha de papai: 29 de Março de 2012,
Cinelândia. A VERDADE! >
Para:





> Repassando... o que "não foi visto e comentado" pela Globo e demais emissoras.
>
>
> Excelente relato de uma estudante que participou da palestra
>
> 29 de Março de 2012, Cinelândia. A VERDADE!
> Rio de Janeiro, 29 de março de 2012. O que tem para hoje?
>
> Sou Administradora de empresas por formação, sou Comunicadora por vocação,
> estudante de Direito por curiosidade e interesse nos interesses da Nação.
>
> Diante das características acima expostas, acabei atuando sem Formação,
> como jornalista, no ano de 2010, quando trabalhei para a campanha
> presidencial de José Serra. Ali, senti que meu nascimento finalmente tinha
> algum sentido! Eu percebi um dom, e o explorei ao máximo.
>
> Resultado? Ao fazer a cobertura jornalística, pela então “Rede Mobiliza”,
> de um evento em formato de painel de debates, sobre Liberdade de Expressão,
> contando com as presenças do então presidente do Instituto Millenium, Paulo
> Uebel (hoje fora do Brasil e substituído por Priscila Pereira Pinto),
> Generais da reserva que comandam a Revista do Clube Militar, Reinaldo
> Azevedo e Merval Pereira, fui cadastrada pela Revista do Clube Militar como
> jornalista. Então, recebo todos os convites para os eventos de mesmo tipo.
>
> No dia 21 de Março de 2012, recebi em minha caixa de entrada, um convite
> para um evento promovido pelo Clube Militar. Honrada, agradeço pela
> compreensão, respeito e parceria, do General Ex. Renato Tibau da Costa,
> presidente do Clube, que assina o convite.
> Aqui, a imagem do CONVITE que recebi por e-mail:
> <http://2.bp.blogspot.com/-WyTehgKT2Vs/T3YUjvr_-cI/AAAAAAAAATE/i6x6MCUTRk0/s1600/convite+virtual+-+1964+-+a+verdade+%5B29mar12%5D.jpg>
>
>
> Independente do viés político, qual brasileiro que tenha um compromisso com
> a verdade não se interessaria em comparecer e cobrir um evento como o
> descrito no Convite? Eu é que não! Interessei-me, e muito, e confirmei
> minha presença assim que consegui! Pela primeira vez, as “portas dos
> militares” estavam abertas ao público para que fossem feitas as perguntas
> que queremos fazer há tanto tempo. E os militares responderam! Sem,
> inclusive, intenção de defesa de seus atos. Confessaram a ditadura,
> comentaram ações de prisão e interrogatório. Claro, de acordo com a versão
> deles.
>
> O que me chamou atenção, porém, foi uma fala do hoje jornalista Aristóteles
> Drummont: “Os militares estão expondo sua versão. Mas será que vocês
> conseguirão o mesmo da guerrilha?”
>
> Não! A Guerrilha não fala. O que fala, é com orgulho! Como se tivessem
> salvado o país do bicho papão. Vale matar para salvar? Não! De lado nenhum!
> Mas por que somente um dos lados assume suas mortes?
>
> Ainda de acordo com meu compromisso com a verdade, fiz a cobertura em tempo
> real, pelo twitter, daquilo que VI e VIVENCIEI. E divido, aqui com os
> leitores, sem qualquer pretensão de tomar partido. Tomei partido de mim
> mesma, agredida, ontem, pelos manifestantes que se diziam pela “Liberdade”.
> E a minha liberdade, que eles tentaram tirar?
> Vamos aos fatos:
>
> Cheguei à Avenida Rio Branco, no Centro do Rio de Janeiro, exatamente às
> 14:48 horas, do dia de ontem. Não significa que cheguei ao Clube nesse
> horário, uma vez que a Avenida já estava tumultuada com uma manifestação
> NÃO PACÍFICA. Demorei aproximadamente 40 minutos para conseguir chegar até
> o Estacionamento da Cinelândia.
>
> Ao colocar os pés na calçada em frente ao Clube Militar, comecei a ouvir
> gritos de “sanguinária, assassina, ditadora....” e outros nomes menos
> próprios ainda, apenas por tentar entrar, informando ser da imprensa, no
> Clube para cobrir o evento. Lembrando, meu nascimento ocorreu em 1979 e eu
> sou CIVIL.
>
> O Policial Militar a quem pedi licença para entrar, informou que não estava
> autorizado a deixar que ninguém mais entrasse, uma vez que os
> manifestantes estavam tentando agredir às pessoas. Imediatamente,
> aproximadamente 7 fotógrafos bateram fotos e mais fotos minhas, não sei com
> qual objetivo.
>
> Então, o policial me instruiu a pedir autorização a alguém de dentro do
> Clube. Devidamente autorizada e instruída a entrar pela rua Santa Luzia, na
> lateral do prédio, pedi ao policial que me oferecesse um pingo de proteção,
> para que eu pudesse, sem ser mais agredida (eles nos atingiam com as
> bandeiras dos partidos), a tirar fotos da multidão que bloqueava a entrada
> da Rio Branco, do Clube Militar.
> Fotos:
> <http://2.bp.blogspot.com/-TtoVVE6wS8U/T3YVQ1eW8QI/AAAAAAAAATM/S98zdu3fLC4/s1600/DSC_0016.JPG>
>
> <http://4.bp.blogspot.com/-kWPKEs2--wY/T3YVSCjJC6I/AAAAAAAAATU/zMRgOsdWEmM/s1600/DSC_0017.JPG>
>
>
>
> Faço a volta, acesso o Clube pela rua Santa Luzia, e vejo, logo em
> sequência, a chegada do General Nilton Cerqueira. Este, levou uma chuva de
> ovos, que chegaram a ser jogados em mim também, mas tive sorte e MUITA
> proteção da Polícia! Muita mesmo! Ontem quem apanhou por mim, foram os
> oficiais da Polícia Militar! Obrigada, senhores!
>
> Ainda no térreo, aguardo o elevador para subir ao quinto andar, onde
> acontecia o Painel de debates. Com a chegada do General Nilton Cerqueira,
> os manifestantes se inflamaram mais, e quase romperam a barreira policial.
> Um dos generais então presentes no andar térreo, em desespero, grita: “Por
> favor, SAIAM DAQUI!”, para nós, que aguardávamos o elevdor. Cumpri a ordem,
> subi um lance de escada e tomei, então, o elevador até o quinto andar,
> partindo do segundo.
>
> Suada, suja de respingos de ovos, cansada, chego ao evento, e encontro
> todos sentados, a grande maioria de idosos, muita ordem e MUITA, mas MUITA,
> cordialidade dos representantes do Clube. Agradeço à Ana, Katia e Denise
> pela sempre IMPECÁVEL recepção e colaboração. Quanto ao General Tibau,
> sempre agradeço! É um homem de honra!
>
> Fotos:
> <http://4.bp.blogspot.com/-CMeoPD05TtM/T3YVrX1wkWI/AAAAAAAAATc/SVSKNt2K2_8/s1600/DSC_0018.JPG>
>
> <http://2.bp.blogspot.com/-qWuUr0dN9iw/T3YVsm5rFII/AAAAAAAAATk/MRhAy-FxQmA/s1600/DSC_0019.JPG>
>
> <http://2.bp.blogspot.com/-S-hYqwnssx0/T3YVtskOdLI/AAAAAAAAATs/XHEZwFmTfo8/s1600/DSC_0021.JPG>
>
> <http://2.bp.blogspot.com/-q_LAcdFYbfY/T3YVuuISbeI/AAAAAAAAAT0/B0QlGGTa99o/s1600/DSC_0022.JPG>
>
> Escuto, então, às falas de Ricardo Salles, que como eu, não era NASCIDO na
> época do golpe, mas foi brilhante em suas colocações, tanto contra quanto a
> favor, o já citado jornalista e militar, Aristóteles Drummond, Dr. Heitor
> de Paola e General Luiz Eduardo Rocha Paiva, que estava com a palavra
> quando cheguei ao salão nobre.
>
> Atrasada por conta dos manifestantes, perdi grande parte do evento, então, *não
> posso dizer que o regime e o golpe não foram defendidos*. Durante a minha
> estada e acompanhamento, o que assisti foi realmente um Painel de Debates
> sério e fiel ao propósito: contar a versão dos militares. Nada mais!
> O Painel foi aberto, inclusive, a perguntas de QUALQUER UM da plateia.
> Todas foram respondidas. Sem censura.
>
> No fim, enquanto Ricardo Salles encerrava o debate por FALTA DE MAIS
> PERGUNTAS, ouvimos o som de uma bomba, logicamente manipulada pela Polícia
> Militar. Sim, tratava-se de uma bomba de efeito moral, solta para dispersar
> a multidão que se manifestava ILEGALMENTE na porta do Clube.
>
> Poucos minutos antes da bomba, já havia uma intensa movimentação da
> imprensa perto das janelas do quinto andar, porque os manifestantes
> passaram a cometer atos de vandalismo e o barulho aumentou muito.
> Foto do momento que antecedeu a bomba:
> <http://4.bp.blogspot.com/-BePcB3BJhf0/T3YYY7Eb02I/AAAAAAAAAT8/VUfWPiYtZAI/s1600/DSC_0025.JPG>
>
>
>
> Foto do movimento visível pela janela que usei, pós bomba:
> <http://2.bp.blogspot.com/-kad75Jvjcks/T3YYidnO8qI/AAAAAAAAAUE/F3Fi7sRQl7k/s1600/DSC_0027.JPG>
>
>
> Fomos, então, instruídos a tomar distância das janelas, pois os
> manifestantes começaram a tentar nos atingir. Da rua, até o quinto andar.
> Por volta das 16:30, com o encerramento do evento, fomos informados dos
> perigos que nos aguardavam na saída do Clube. Mais uma vez, a direção do
> Clube pediu a todos que aguardassem um pouco para sair, pois a Polícia
> Militar não estava com a situação sob controle, ainda.
>
> Aproximadamente trezentas pessoas, entre estudantes das escolas militares,
> estudantes universitários civis que foram ali PARA ESTUDAR, convidados
> civis de várias categorias e militares, em sua maioria, da Reserva,
> tiveram que ficar perambulando pelo Clube, enquanto não tínhamos segurança
> suficiente para sair.
>
> 17 horas: saio do quinto andar e me dirijo ao térreo, na intenção de sair
> do Clube e tomar o rumo de minha Faculdade, ali perto, onde minhas aulas
> têm início às 18:30 horas, diariamente.
>
> Uma multidão se espreme no andar térreo do Clube. Ainda não havia segurança
> suficiente para nossa saída. A instrução: “Aguardem o policiamento de
> choque, saiam em pequenas turmas COM ESCOLTA DELES, e dirijam-se
> imediatamente às escadas de acesso ao metrô”.
> Enquanto isso, fotografei os portões fechados do Clube, com os
> manifestantes MUITO PERTO, do outro lado, sedentos de sangue, ao que
> parecia!
>
> Fotos do momento em que ficamos retidos:
>
> <http://3.bp.blogspot.com/-0Hr60Wg5mt0/T3YY62QnoLI/AAAAAAAAAUM/CAiLlvg7PRw/s1600/DSC_0028.JPG>
>
> <http://2.bp.blogspot.com/-oICHZCeBf-Q/T3YY734JpzI/AAAAAAAAAUU/RaiJZqT3V0g/s1600/DSC_0029.JPG>
>
>
> Chegou a minha vez. Fui autorizada a sair. Pela Avenida Rio Branco. O
> cordão policial tinha dificuldades em conter os agressores. Eu mesma, fui
> atingida por uma bala de tinta na panturrilha direita e um grande
> recipiente com tinta vermelha foi violentamente arremessado contra mim. A
> mocinha estudante que estava imediatamente atrás de mim, alertou
> “Cuidado!”, e eu consegui desviar do recipiente em tempo. O mesmo explodiu,
> ao bater com muita força contra a parede do prédio do Clube. Perdi o
> vestido, a meia-calça e o par de botas que usei ontem. Além disso, fui
> atingida no rosto pela tinta, e no peito pelos sprays de pimenta, que não
> se sabia se vinham da Polícia ou dos manifestantes. Ambos os tinham!
>
> Ao descermos as escadas, eu e oito estudantes de Direito da UFF, fomos
> atingidas pelos sprays. Eu, novamente, tive sorte. As meninas menos. Foram
> atingidas diretamente nos olhos, bocas e narizes. As oito passaram mal.
> Dirigi-me à sede do PSDB carioca, exatamente do outro lado da rua, e
> convidei as estudantes a me acompanharem, pelo menos para podermos nos
> lavar e beber água.
>
> Salvas, finalmente, fomos extremamente bem tratadas e cuidadas pela equipe
> PSDBista presente. As meninas puderam seguir viagem para Niterói e eu pude
> ir resgatar meu carro e chegar à minha aula. Atrasada, às 19:00 horas,
> graças, novamente, aos manifestantes!
>
> Aqui, colo link do “O Globo”, jornal criminoso por sua abordagem mentirosa
> do evento, com vídeo dos “pacíficos” manifestantes, que também mentem sobre
> suas próprias ações. Porque eu VI!
http://oglobo.globo.com/videos/v/jovens-enfrentam-militares-no-rio-de-janeiro/1880891/
> O que está sendo mostrado no vídeo, pela moça que se diz correspondente da
> UERJ (que pena da comunicação deles), são alguns sinais da MESMA TINTA que
> me atingiu. Ela? Alega que são ferimentos.
>
> A Polícia Militar foi, inclusive, chamada de “vagabunda”, pelo manifestante
> que aparece aqui, no link do "Estadão", sem camisa e de cabelos compridos.
> Ele estava fora do exercício de seu trabalho, ao que percebi (se é que
> realiza algum), mas a polícia que ele chamou de “vagabunda”, trabalhou
> MUITO, por conta dos atos dele:
http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,militares-da-reserva-sao-cercados-por-manifestantes-na-cinelandia-no-rio,855126,0.htm
>
> Foto de meu rosto atingido pelos restos de uma bala de tinta. O “grosso”
> dessa, atingiu o policial da tropa de Choque que me escoltava (nesse
> momento, da foto, eu já estava a salvo, dentro da sede do PSDB):
> <http://1.bp.blogspot.com/-MgdDLh1IkH4/T3YZX1E6PKI/AAAAAAAAAUc/PY9tIBJDDFQ/s1600/DSC_0031.JPG>
>
>
>
> Paro nas escadas do metrô, e mostro ao “câmera man” da Band, minha
> etiqueta grafada “IMPRENSA” e o resultado, em mim produzido, pelas
> agressões dos manifestantes. ISSO não foi publicado em lugar algum.
>
> Pediram os fatos! Os fatos são esses. Não sei manipular photoshop, tampouco
> tenho equipamento fotográfico profissional. Minhas fotos são ruins, e REAIS.
>
> Com vergonha, alergia e ainda ferida moral e fisicamente, comento os fatos
> e exponho um pouco mais de minha vida particular, nos próximos posts, para
> não matar o leitor de cansaço!
>
> Agradecendo a todos os amigos que prestaram sua solidariedade,
>
> Filhinha de Papai
>
>
> Link:
>
http://papodefilhinha.blogspot.com/2012/03/29-de-marco-de-2012-cinelandia-verdade.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário